Entrevista com Wagner Ranna – Portal IG

A consulta de pré-natal era para ver se estava tudo bem com a mãe e o bebezinho dentro da barriga, mas alguma coisa de diferente acontecia com a criança de um aninho que acompanhava a mãe barriguda no posto de saúde. Ele não a largava, não fazia contato com os olhos e era fissurado em água. A ginecologista não teve dúvida e encaminhou o caso para o médico de família e para o psicoterapeuta.

Com um ano e meio, o menino apresentava um quadro grave de autismo. Miguel ficava o tempo inteiro na torneira mexendo com a água. Quando o tiravam de perto da água, ele gritava, chutava e cuspia. Hoje com quase cinco anos, Miguel* dá beijo, olha nos olhos enquanto conversa, é do tipo que fala alto e bastante, mesmo com frases embaralhadas, e adora os amiguinhos de classe.

“Hoje ele não tem mais autismo, o quadro de autismo foi revertido. Ele fala, tem relação social perfeita, não tem mais aquela casca da ostra e é uma criança que brinca simbolicamente. E tem mais, noto que ele é muito amado”, diz Wagner Ranna médico pediatra, psicoterapeuta e professor na Faculdade de Medicina da USP. Ele que cuidou do caso de Miguel no posto de saúde do Rio Pequeno, em São Paulo.

Para Luciano de Araújo, médico da família do posto de saúde, o caso de Miguel mostra que até mesmo casos graves de autismo podem ser tratados e curados. “Queremos mostrar com o caso do Miguel que a linha que separa o autismo pode estar borrada, e que se a criança não for tachada muito cedo com o diagnóstico, ela poderá se desenvolver e sair desta marcação”, disse.

Ranna e Araújo seguem uma linha que não considera o autismo como algo irreversível. Eles integram um grupo de cerca de 500 profissionais que atuam em mais de 100 instituições nacionais de saúde do País defendem que o autismo pode até ser revertido em alguns casos e que taxar o autismo de incurável seria uma visão reducionista da doença.

Fora d’água
Foi um longo percurso até a mudança total de comportamento de Miguel. O menino e a família participavam de sessões de terapia de quinze em quinze dias. Miguel também passou a tomar medicamento. “Fiquei muito nervosa quando falaram que ele tinha autismo. Eu nem sabia o que era isso. Não sabia o que fazer”, lembra a mãe Adriana França.

Ranna conta que levou alguns meses só para tirar o menino da fixação com a água. “Do mesmo jeito que alguns autistas ficam mexendo com as mãos, ele ficava nessa fissura com a água. Depois de muitas sessões de terapia, consegui tirar ele dessa fissura”, conta.

Hoje, a brincadeira favorita de Miguel é o caminhão, um orgulho para mãe que é ex-frentista de posto e para o pai, caminhoneiro.

Outra grande meta do tratamento era inserir o menino no convívio social. Para isto, a estratégia foi matricular Miguel na creche e na escolinha. Mas o problema veio quando ele entrou na escola infantil. “As crianças odiavam ele, ele mordia os coleguinhas, pegava as coisas sem pedir. Acabou que ninguém gostava dele. Daí, até mesmo naqueles problemas que sabíamos que ele não estava envolvido, ele acabava levando a fama”, lembra Josiane Almeida Mota, professora da Escola Municipal de Educação Infantil em Jardim d’Abril, no Rio Pequeno.

24 crianças no pegando no pé
Alguma coisa precisava ser feita e as professoras resolveram conversar com a turma sem o menino. “Chamamos a turma para um canto, explicamos que ele precisava de ajuda. Foi muito bonito, pois todos resolveram ajudar e em nenhum momento precisamos dizer que ele era um aluno especial, que tinha autismo”, conta Ana Lúcia Soares, também professora de Miguel.

A partir desta conversa, todas as outras 24 crianças da sala passaram a cuidar do menino. De acordo com a professora, os próprios alunos passaram a pegar na mãozinha dele para levá-lo para brincar.

Miguel também tinha o hábito de pegar os brinquedos das outras salas e não devolver. Ficou combinado entre todas as professoras da sala que, caso ele entrasse nas salas e pegasse o brinquedo, elas parariam o que estavam fazendo e falariam para o menino que ele poderia pegar o que quisesse, desde que devolvesse.

Um outro estímulo foi o boneco Zequinha. “Pegamos um boneco de pano e cada semana um aluno levava o Zequinha para casa. Lá, a criança o ensinava e brincava com ele. Depois fazia um desenho. As mães deviam escrever como foi a ‘visita’”, disse Ana Lúcia. “Embora a gente não tenha relacionado o Miguel com o Zequinha, acho que as crianças gostaram da atividade com o Zequinha e repetiram com ele em sala de aula”, completou.

Além do esperado
Para o médico, o desenvolvimento do menino grandão e de cabelo alourado foi além do esperado. “Ele não está mais no espectro, mas é uma criança com alguns problemas de comportamento”, disse Wagner.

A maioria dos especialistas, no entanto, é completamente contra esta ideia. O psiquiatra do Instituto de Psiquiatria da Universidade de São Paulo Guilherme Polanczyk é um deles. Ele discorda veementemente do quadro apresentado. “A possibilidade de o autismo desaparecer até agora não foi evidenciada pela ciência. O autismo é uma condição crônica, persistente e que infelizmente não desaparece com o tempo”, disse.

Polanczyk afirma que para o caso de Miguel há apenas duas possibilidades: diagnóstico equivocado ou sintomas amenizados. “Depois de algum tempo, uma criança que inicia uma intervenção precoce melhora tanto que eventualmente um daqueles sintomas não aparece mais. Não é que ele não exista, foi apenas muito trabalhado e não aparece. Mas isso não significa que a criança não tem a condição. O autismo está lá”, diz.

Wagner Ranna, apresentou ao MPASP alguns esclarecimentos sobre a entrevista:
1) inicialmente tratou-se de um caso de RISCO DE AUTISMO já que o diagnóstico só pode ser estabelecido depois dos três anos. A médica que observou o problema do menino não era a “Ginecologista” e sim Médica de Saúde da Família, que participa das capacitações sobre detecção precoce.
2) Não houve equívocos no diagnóstico, pois o caso foi amplamente discutido e compartilhado multiprofissionalmente, num projeto da FMUSP, que implica na participação de pessoal da Atenção Básica, ou Primária.
3) Na Saúde Mental e na Psicanálise o conceito de cura não é apenas desaparecimento dos sintomas, mas que a subjetividade esteja constituída e a inclusão social estabelecida, pois cada sujeito é uma singularidade e não podemos colocar como patológico as diferenças. Diferente de ver a cura como ausência de sintomas.
4) Na Atenção Primária detectamos e intervimos em casos de Bebês, com menos de três anos, no caso, menos de 2 e que a Clínica da Primeira Infância, ou a Clínica da Constituição do Laço, ou ainda, Clinica mãe-bebê na prevenção do Autismo, é uma transdisciplina com base na Psicanálise, na Epigenética, na Neuroplasticidade, sendo um dos mais importantes dispositivos terapêuticos para o cuidado com a primeira infância em sofrimento psíquico, ou em risco de sofrimento psíquico e que é muito e bem praticada no Brasil.
5) Precisamos estudar melhor outros casos, mas a participação da educação e da convivência com as crianças com desenvolvimento típico, acompanhada pelas equipes de Saúde, no caso Saúde da Família e o apoio matricial, e da Educação, se mostraram de grande eficácia no caso, como também se evidencia em outros.
6) O estudo de casos, caso a caso, utilizado pela abordagem psicanalítica é uma metodologia cientificamente reconhecida.
7) finalmente, que os sinais de risco, tanto na metodologia IRDIs, ou Pré-Aut, são cientificamente estabelecidos e que a Intervenção Precoce não é apenas uma forma de diminuir a expressão dos sintomas, mas proporcionar que o bebê, que tem falhas no olhar para o outro e na relação com o outro, possa ter essas falhas corrigidas, na medida do possível, o mais cedo que se puder, antes que a rede sináptica se feche e essas funções fiquem excluídas, agravando o retraimento e as defesas autísticas.

* o nome foi alterado para preservar a identidade da criança

FONTE: http://saude.ig.com.br/minhasaude/2013-10-29/ele-foi-curado-do-autismo-diz-medico.html

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s