Psicanálise e Ciência: do Equívoco ao Impasse

Psicanálise e Ciência: do Equívoco ao Impasse

Christian Ingo Lenz Dunker

Em vez de estabelecer critérios e acepções, mais extensas ou mais restritivas, por meio das quais se poderia considerar a psicanálise uma ciência, uma contraciência ou uma anticiência, pretendo assinalar apenas aqueles que posso considerar como equívocos mais frequentes na abordagem desse problema.

De forma sintética, penso que a pergunta sobre a cientificidade da psicanálise é menos ociosa, interessada ou reativa do que parece. Transformações no interior da psicanálise ocorreram, ao longo de sua história, conforme a disciplina científica se firmasse como um ideal ou um contraideal. O desvio regrado na tradução imposta por Strachey, a absorção psiquiátrica da psicanálise pela psiquiatria americana, a partir de Alolf Meyer, o programa da Escola psicossomática de Chicago são exemplos históricos desses “ajustes” praticados no interior da psicanálise, em nome de seu passaporte de entrada na ciência. Isso segue a sugestão freudiana de que a psicanálise não é uma visão de mundo porque ela assume e se inclui na visão de mundo proposta pela ciência.

Opino que a psicanálise é incapaz de criar uma visão de mundo particular. Não lhe faz falta; ela forma parte da ciência e pode aderir-se à visão de mundo científica. Mas esta merece este nome grandiloquente, pois não contempla o todo, é demasiadamente incompleta, não pretende absolutismo nenhum, nem formar um sistema.1

Chamo a atenção de vocês para a segunda parte da proposição. A psicanálise é uma ciência desde que não se entenda a ciência como sistema completo. Ou seja, o critério de cientificidade, um critério que resiste ao tempo, não é o acúmulo triunfal de saber, mas o contrário, a capacidade de errar, de reinterpretar e criar problemas. Essa é a diferença entre ciência e metafísica, a ciência se equivoca e é capaz de reconhecer isso. Portanto, quando alguém diz, acerca do tratamento do autismo, que a psicanálise culpabilizou os pais e particularmente a ”mãe geladeira”, é preciso dizer que sim, e que a mudança na concepção de tratamento, desde Freud, não é um traço de anacronismo, mas da cientificidade da psicanálise. Se a psiquiatria da década de 1930 amarrava crianças às suas cadeiras e as “modernas técnicas educativas” dos anos 1950 trancavam crianças em quartos escuros à guisa de recompensa e punição, isso não significa que a psiquiatria seja indiferente à ciência. O caso da educação é mais complicado, pois somente em circunstâncias muito específicas, e em geral com resultados desastrosos, a pedagogia se apresentou como uma ciência. A ciência da aprendizagem não é uma ciência, mas um conjunto de técnicas, quiçá um método na acepção fraca do termo.

Lacan, mas não só ele, mostrou como, e não vou me estender nesta tese, a concepção de psicanálise é historicamente covariante com a concepção de ciência. Da psicanálise do fogo de Bachelard, às críticas de Witgenstein, do critério popperiano de irrefutabilidade à redefinição foucaultiana da psicanálise como um discurso, há um longo caso, um julgamento perpétuo acerca da cientificidade da psicanálise.

E se recuamos para os antecedentes da psicanálise vemos que esse julgamento já estava em curso quando se tratava de hipnotismo, desde que, em 1784, o rei Luís XVI nomeou a comissão mista da Academia Real de Ciências e da Sociedade Real de Medicina, para investigar as curas ocorridas por meio do magnetismo animal. A comissão formada por gente como Lavoisier, Benjamin Franklin, Guillotin, Bailly e Jussieu terminou com a impressão de oitenta mil volumes, nos quais os partidários de Mesmer abjuravam a existência das curas e da crença no magnetismo. Mas um olhar atendo aos autos do processo mostra que Jussieu e tantos outros confirmavam o valor terapêutico da técnica não obstante descartassem sua explicação teórica2. Retomo o ocorrido para salientar que a discussão sobre a cientificidade da cura pela palavra divide-se, desde sua origem, em sua dimensão terapêutica e teórica, reunida pelo campo da clínica e pela intercessão do Estado e da força de lei, consoante seus interesses.

O que está em jogo na crítica contra a abordagem psicanalítica do autismo não é, primariamente, sua eficácia ou sua fundamentação conceitual, mas a recusa global do campo da clínica. A abolição da clínica e sua substituição por um conjunto de técnicas, de disciplinas, de estratégias, não é uma argumento propriamente epistemológico, mas uma recusa ética de que a experiência em questão se unifique em torno de uma pessoa que sofre. Não há que se considerar, argumentam certos críticos, que a criança autista, ela mesma sofre, sem falar em seus familiares: bastaria abordar a questão como um problema de recuperação de desempenho e funcionalidade na vida pragmática. Quanto ao resto, deixemos isso com a metafísica. Ora, essa atitude é profundamente anticientífica.

Mas voltemos ao problema dos fundamentos.

Para uma abordagem específica da dimensão propriamente epistemológica da psicanálise remeto vocês aos trabalhos3 nos quais tenho defendido a ideia de que a psicanálise ocupa o lugar do que Kuhn chamava de anomalia cientifica. Para o autor de “Tensão Essencial”4 a anomalia era originalmente um fenômeno reconhecido por uma comunidade científica como explicável por um determinado paradigma, mas que, não obstante, era refratário à sua decifração. Admitido o estado de ciência normal, a anomalia deve ser incluída ou neutralizada pelo paradigma. Quando isso não ocorre, a anomalia pode induzir crise e subsequentemente revolução científica, fazendo emergir um novo paradigma. Considero que a psicanálise é o análogo de uma anomalia desse tipo, tomada como um fenômeno histórico parasitário da epistemologia, uma vez que ela não pode nem ser propriamente incluída, nem propriamente expelida como um epifenômeno inconsequente.

Essa tese da paradoxalidade científica da psicanálise não é nova nem original. Ela decorre de uma leitura de afirmações lacanianas tais como: “o sujeito da psicanálise é o sujeito da ciência”, “a psicanálise é a ciência da linguagem habitada pelo sujeito” ou ainda, que a “a psicanálise visa introduzir o Nome-do-Pai na consideração científica”.

Mas creio que essa discussão está muito longe do impasse que se apresenta em nosso momento. E ele é um impasse curioso, porque parte de afirmações ridiculamente banais contra a cientificidade da psicanálise. Desde a mudança epistemológica dos anos 1980 a ciência passou a ser um assunto legislado e definido pela existência de uma comunidade de cientistas. A ciência é o que os cientistas fazem e o que os cientistas fazem é ciência. Podemos nos indignar com essa tautologia, mas ela representa o estado de coisas em vigor hoje no mundo. Ocorre que por este critério não há a menor possibilidade de que uma disciplina que conta com milhares de teses, dezenas de milhares de artigos científicos em revistas científicas “controladas”, centenas de Grupos de Pesquisa cadastrados no Diretório Nacional de Pesquisa do CNPq, que está presente massivamente em cursos universitários, que o Estado paga para se formar pesquisadores, e assim por diante, possa ser considerada não científica. Ocorre que nós não gostamos de usar esse argumento. E com razão. Isso significaria apelar para nossa inclusão no Estado. O psicanalista não se forma como pesquisador e ele não se forma na universidade. Mas quero crer que muitas vezes nos deixamos acuar por um argumento que emana de nossa própria consciência crítica e que está muito longe das intenções e dos subsídios que promovem esse tipo de objeção banal, e simplesmente equivocada contra a cientificidade da psicanálise. Ou seja, não somos nós que temos que provar que ela é uma ciência, seriam nossos críticos que deveriam mostrar onde e por que ela trai as aspirações científicas. E muito que bem tentaram, por exemplo, em O Livro Negro da Psicanálise, com resultados vexatórios em termos de argumentação.

O único ponto no qual essa estratégia parece funcionar é o da divulgação científica, ponto no qual nossa inabilidade crônica em expor ideias e de abrirmo-nos a alguma externalidade é problemática. Isso emana do antigo argumento de que a psicanálise não deve ser nem se coordenar pelas massas, que ela é um bem precioso para uma elite bem formada. Mais uma vez são nossos próprios preconceitos que trabalham e depõem contra nossa cientificidade, não a matéria mesma que está em questão. Nos opomos à retórica da novidade, nos opomos à ideologia dos resultados, das aquietações institucionais, nos indispomos com o senso comum da pressa e da conformidade, não queremos saber de pactuar com as estratégias racionais e principalmente normativas dominantes. Reencontramos aqui nosso lugar de anomalia e resistência cultural. Mas para fazer isso não precisamos nos segregar da ciência.

Mas há outros níveis, mais internos, de consideração do problema.

O segundo nível de consideração desta matéria nos leva a uma divisão da pergunta. Uma divisão dupla que toma em consideração o fato de que a psicanálise ela mesma é uma prática de tratamento de sintomas e uma teoria que agrupa e interpreta fatos e considerações obtidos no interior desta prática. Ou seja, se dividimos a pergunta entre método de tratamento e método de investigação, e se agregamos a estes a ideia de doutrina ou de teoria, a hipótese científica se aplica de modo diferencial.

Trata-se então de saber se o método psicanalítico é uma forma de abordagem científica dos objetos e fenômenos a que pretende investigar, e se a concatenação de seus desenvolvimentos teóricos assume os critérios de transmissibilidade, públicos, universais e repetitíveis que se espera de um saber em forma de ciência. Penso que é nesta última acepção que Lacan afirmou que a psicanálise não é uma ciência, mas uma prática. Ou seja, a clínica, seja ela qual for, médica, psicanalítica, psicológica ou psiquiátrica jamais foi e jamais será um ciência. Isso não significa que seus procedimentos e seus fundamentos não nos rematam a modalidades de ciência. Mas assim como anatomia não é medicina e genética não é clínica, a psicanálise não é uma ciência. Surgem aqui duas estratégias que vêm conferindo resultados positivos ou incertos, quando se considera esses dois escopos da questão:

Há, por um lado, uma série de estudos comparativos sobre eficácia e eficiência da psicanálise como forma de tratamento clínico. Após um primeiro momento, no qual a psicanálise era descartada do “páreo”, uma vez que não se sabia como enquadrar seus resultados de forma comparativa, e segundo os critérios que ela mesma poderia oferecer, seguiu-se mais recentemente uma série de pesquisas científicas e meta-análises, mostrando como a “psicoterapia psicodinâmica de longo prazo”5 apresenta efeitos mais consistentes6, mais permanentes e mais abrangentes que a maior parte das psicoterapias conhecidas7. Essas pesquisas utilizam métodos estatísticos complexos capazes de incorporar dados obtidos por meios e modalidades de apresentação muito divergentes entre si. Nessa via o problema se desdobra indefinidamente para a comparação entre tipos de patologias, diferença para adultos ou crianças8, contextos culturais e institucionais9, extensão e qualidade da experiência do psicanalista, linhagens e sublinhagens psicanalíticas. Para todos estes casos há pesquisas que comprovam a eficácia do tratamento psicanalítico. Note-se que esses estudos não comprovam a cientificidade da psicanálise, mas a sua eficácia. Um xamã amazônico que utiliza plantas mágicas, que contêm princípios ativos insabidos ao próprio agente da cura, não está praticando ciência, mesmo que ele seja extremamente eficaz. A eficácia simbólica10 é um fenômeno interveniente na cura, assim como o efeito placebo, nenhuma dos dois é um argumento de cientificidade, mas de efetividade técnica. A cientificidade é um atributo do método, a efetividade um predicado da técnica. Nesse sentido, comparar o método ABA de abordagem do autismo com o método psicanalítico é uma tolice, simplesmente porque o método ABA não é um método de tratamento, mas uma técnica de aprendizagem.

O segundo escopo da questão, quando dividimos o problema da cientificidade entre método clínico, que possui ele mesmo sua teoria, e a teoria, o sentido da integração e agrupamento dos efeitos da prática deste método, ocorre quando nos atemos ao tema da teoria psicanalítica como uma teoria científica. E aqui facilmente somos desqualificados por algo que em princípio é uma virtude, a saber, a diversidade de entendimentos e de leituras, o que caracteriza a teoria psicanalítica como uma teoria com baixos teores de consenso. Ou seja, quando se afirma a-cientificidade da psicanálise, para retomar uma antiga expressão de Joel Dor, temos que produzir “metodologicamente” uma unidade do que nossa comunidade científica chama de psicanálise, cujo poder de representatividade é tão redutivo quanto uma redução operacional de conceitos. Nessa direção tem se argumentado que a psicanálise, enquanto teoria, regula-se por uma teoria da prova semelhante a que encontramos na teoria da evolução proposta por Darwin. Isso não quer dizer que a psicanálise seria uma ciência natural, aliás, como advogava este péssimo epistemólogo de si mesmo chamado Sigmund Freud11, mas que a estrutura da verificabilidade das evidências clínicas da psicanálise é homóloga à teoria da evolução: ela reúne fatos de diferentes proveniências, implica hipóteses indemonstráveis, pretende explicar um grande espectro de fenômenos com poucos princípios básicos. Aqui também surgem subdivisões do problema: haveria uma única ciência na psicanálise, ou se tratam de várias ciências, como a linguística, a matemática, a neurologia, a psicologia do desenvolvimento, a antropologia, que concorrem para formar os fundamentos de uma ou de mais de uma ciência. Algo semelhante acontece quando se pensa em divisões como o doutrinal de ciência (moderna) e o ideal de escrita pós-científico, do último Lacan12.

O terceiro nível de consideração do problema é a crítica política ou ética do que vem a ser o estado atual da ciência em sua organização disciplinar. Aqui o argumento se divide entre os que advogam a extraterritorialidade da psicanálise, baseada na irredutibilidade ética de seus procedimentos, e os que refutam, com boas indicações críticas, a conveniência entre a ciência e os processos de individualização da modernidade, ou entre a foraclusão do sujeito e seu retorno sob forma de racionalidade técnica, segregação e alienação. Às vezes isso é acompanhado do exame crítico das modalidades de pesquisa prevalentes hoje em psicologia13, ou ciências humanas. A defesa da singularidade do sujeito, contra as generalizações classificantes, que operam no interior da metodologização dos objetos de pesquisa, do discurso do psicanalista contra o discurso do capitalista, surgem assim como uma resistência aos fundamentos da ciência ela mesma, ou melhor, de uma corrupção de seu projeto inicial em uma ideologia científica. Desde Althusser até Zizek e Darian Leader esse tipo de crítica vem se consagrando no interior da psicanálise. Contudo, o que ele apresenta em termos de alta penetrância nas ciências sociais reverte-se, muitas vezes, em admissão de exterioridade e de demissão epistemológica no contexto das práticas de saúde mental e de saúde geral.

Posto tais considerações, podemos cernir nossa posição no quadro das duas estratégias de fundamentação científica que vem caracterizando o debate contemporâneo. A estratégia internalista nos faz dizer algo assim: nós temos nossa própria cientificidade, com critérios que podemos apresentar em justificar em termos universais, públicos e transmissíveis. Neste ponto costumamos cometer o equívoco de nos opor a outras formas de ciência de tipo empírico ou positivista, sem nos apercebermos de que o internalismo já foi absorvido pela lógica do capital científico. Ou seja, o debate dominante não é mais saber se há características intrínsecas e verificáveis na conceitografia psicanalítica que a tornaria admissível na Stoa da ciência. O grande ideal unicista do método científico foi abandonado nos anos 1980. No lugar dele emergiu uma nova cultura científica que tolera perfeitamente bem a diversidade, as formalizações internas dos objetos, as regionalidades epistêmicas. Essa nova edição da ciência a define por critérios tais como: a qualidade das revistas científicas, o impacto de citações, a capacidade de se impor aos seus concorrentes “locais”, a capacidade de obter e justificar financiamento, a força de seus quadros na administração deste grande negócio chamado ciência. A ciência assim como a universidade da qual ela se tornou serva, tronou-se um imenso empreendimento burocrático. Do outro lado a pesquisa sobre a técnica se autonomizou, formando o novo casamento entre universidade-empresa.

Portanto, considero um equívoco remeter a discussão atual sobre a cientificidade apenas aos fundamentos epistemológicos ou metodológicos da psicanálise. O foco do problema se deslocou para outra face, ou seja, a face normativa. E é no interior dos processos de judicialização do saber e de certificação das práticas que a psicanálise tem mais dificuldade de se posicionar. Neste ponto sua resistência costuma assumir o que há de pior na estratégia internalista, ou seja, a endogamia. Quando advogamos que nós temos nossos próprios critérios e que não precisamos da esfera pública para legitimar nossa prática, ainda um último resíduo da prática liberal, isso facilmente pode se transformar em um contra-argumento suicidário. Ou seja, entregamos a racionalidade diagnóstica ao DSM, renunciamos a lutar pela autonomia da psicanálise no interior dos cursos universitários, recusamos as modalidades de reconhecimento interpares em vigor na sociedade civil (em prol de uma segmentação progressiva e divergente de nossas associações), advogamos nossa extraterritorialidade entre as ciências, ao final nos retiramos de todo contexto regido e organizado pela normatividade. Disso para a auto-segregação é um passo.

Ocorre que a estratégia inversa, ou seja, o externalismo, requer uma complexidade igualmente difícil de sustentar. Significaria abrir a pesquisa psicanalítica à outras modalidades de investigação, exatamente como fez Lacan, a começar pela antropologia estrutural, e a terminar pela topologia. Contudo, a dificuldade maior não reside no externalismo epistemológico e metodológico, mas no externalismo normativo.

Quando um médico receita haloperidol para uma criança autista, ele não está fazendo ciência e nem está agindo em nome da ciência. Ele está adotando um protocolo de ação, formado e definido pela comparação entre pesquisas no contexto de uma política pública, no contexto do Estado que segue tal ou qual marco regulatório, sob influência de tal ou qual representante comercial farmacêutico, em acordo com as recomendações de sua formação universitária, das escolhas que ele pode fazer como clínico, mas também das considerações sobre custos e sobre a cobertura de saúde que está em jogo nessa situação. Quando a medicina baseada em evidência introduz o cálculo dos custos na equação que define qual estratégia clínica será adotada, esta consideração simplesmente não tem nada de científico. Ela é uma consideração administrativa, política e de gestão securitária.

 

1 Freud, S. (1932-1936) 38ª Conferência Introdutória à psicanálise. Sobre a Visão de Mundo. Sigmund Freud Obras Completas, Buenos Aires, Amorrortu: 168.

2 Chertock, L. & Stengers, I. (1989) O Coração e a Razão. Rio de Janeiro: Jorge Zahar: 50.

3 Dunker, C.I.L. (2011) Estrutura e Constituição da Clínica Psicanalítica. São Paulo: Annablume.

4 Kuhn, T.S. (1997) A Tensão Essencial. São Paulo, UNESP, 2011.

5 Falk Leichsenring, DSc; Sven Rabung (2008) Effectiveness of Long-term Psychodynamic Psychotherapy A Meta-analysisJAMA. 2008;300(13):1551-1565.

6 Dorothea Huber; Johannes Zimmermann; Gerhard Henrich; Guenther Klug (2012) Comparison of cognitive-behaviour therapy with psychoanalytic and psychodynamic therapy for depressed patients – A three-year follow-up study. Z Psychosom Med Psychother 58/2012, 299–316.

7 Doidge N.(1997)Empiricalevidence for the efficacy of psychoanalytic psychotherapies and psychoanalysis: an overview. PsychoanalInq1997;102-150.

8 Fonagy P, Target M.(1996)Predictorsof outcome in child psychoanalysis: a retrospective study of 763 cases at the Anna Freud Centre. JAm Psychoanal Assoc 1996;44:27-77.

9 Lucie Cantin (1999) An Effective Treatment of Psychosis with Psychoanalysis in Quebec City, since, 1982. Annual Rewiew of Critical Psychology.

10 Lévi-Strauss, C.L. (1953) A eficácia simbólica. Antropologia Estrutural, Civilização Brasileira, 1988.

11 Freud, S. (1915) Pulsão e suas vicissitudes. Sigmund Freud Obras Completas, Amorrortu, Buenos Aires, 1988.

12 Milner, J.C. A Obra Clara. Rio de Janeiro, Jorge Zahar.

13 Lapeyre, M.; Sauret, J.M. (2008) A psicanálise como ciência. Tempo Psicanalítico, Rio de Janeiro, v.40.

Christian Ingo Lenz Dunker é professor livre-docente do Instituto de Psicologia da USP

Anúncios

Um comentário sobre “Psicanálise e Ciência: do Equívoco ao Impasse

  1. Faltando três parágrafos para o final, o autor comete um ato falho de escrita, qual seja: “A ciência assim como a universidade da qual ela se tornou serva, tronou-se um imenso empreendimento burocrático”. Ou seja, ele escreve “tronou-se” ao invés de “tornou-se”. O interessante é que “tronou-se” segue-se imediatamente a “se tornou serva”, indicando que, por retroação, o texto latente seria “A ciência assim como a universidade da qual ela tronou-se serva, tornou-se um imenso empreendimento burocrático”. Neste contexto retroativo (aqui é preciso observar que o sentido se dá por retroação significante), para o autor, então, a ciência “tronou-se serva” (sic) da universidade, isto é, a ciência, paradoxalmente, erigiu-se ao trono de serva da universidade. Ora, tal ato falho testemunha por si só a “intromistura” (este termo é de Lacan) do tropeço do sujeito ($: sujeito-do-inconsciente) em um texto aparentemente “sem sujeito” (universitário, como tal) e que procura problematizar a cientificidade – logo, o “tronar-se serva” – da psicanálise. Assim, de fato: para a salvaguarda da psicanálise como discurso clínico-político, uma formação do inconsciente (expressiva de uma subjetividade) sempre fará obstáculo a ela “tronar-se serva” da universidade e/ou de qualquer outro empreendimento discursivo supostamente “objetivo”. (Observação: infelizmente “tronar-se” não é um neologismo; se o fosse, teríamos um maravilhamento duplo à maneira de J. Joyce, qual seja, o de um ato falho constituído por um neologismo!)

Os comentários estão desativados.