Carta do Lugar de Vida ao Ministério da Saúde sobre o documento “Linha de cuidado para Atenção Integral à Saúde das Pessoas com Transtorno do Espectro do Autismo e suas Famílias no SUS”.

Nós, equipe Lugar de Vida – Centro de Educação Terapêutica, instituição que
atende, pesquisa e forma profissionais para o tratamento da pessoa com Transtorno
do Espectro do Autismo, viemos por meio desta manifestar nosso apoio ao documento
“Linha de Cuidado para Atenção Integral à Saúde das Pessoas com Transtorno do
Espectro do Autismo e suas Famílias no SUS”, de 31 de janeiro de 2013, que o
Ministério da Saúde submete para análise e contribuições.
O Lugar de Vida iniciou suas atividades em 1990, como um laboratório de
clínica e pesquisa no Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, destinado
ao tratamento e à escolarização de crianças e adolescentes com TEA e à acolhida de
suas famílias. Desde 2007, o Lugar de Vida ampliou suas atividades, configurando-se
como uma associação independente e de iniciativa privada. Atualmente, o convênio
com a Universidade se mantém no âmbito acadêmico (estágios, produção de artigos
científicos, pesquisas de mestrado, doutorado e pós-doutorado).
Parabenizamos o Ministério da Saúde pela iniciativa que resultou em um
documento completo e democrático, que foi formulado por uma equipe plural de
especialistas (psiquiatras, fonoaudiólogos, psicólogos das mais diversas abordagens,
etc.) e também mães envolvidas nessa causa. Entendemos que esse documento
contempla todos os agentes envolvidos, sem excluir ou desqualificar nenhum deles.
Como contribuição do Lugar de Vida ao documento, sugerimos a inserção de
algumas referências bibliográficas com valor científico, relativas ao tópico que aborda
o tratamento da pessoa com TEA e o acolhimento de sua família, tendo em vista que
tais referências seguem as mesmas bases já apontadas no capítulo 3 – DIRETRIZES
PARA O CUIDADO DA PESSOA COM TRANSTORNO DO ESPECTRO DO
AUTISMO E SUA FAMÍLIA NAS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE, destacando
que deve fazer parte das possibilidades de tratamento oferecidas pelo SUS:
1. atendimento individual (de orientação psicanalítica);
2. atendimento em grupos terapêuticos;
3. acompanhamento a escolarização;
4. escuta de pais em grupos;
5. escuta de pais.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
Bastos, M. B. (2012). Incidências do educar no tratar: desafios para a clínica
psicanalítica da psicose infantil e do autismo. Tese de Doutorado, Instituto de
Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado em 2013-02-25, de
http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47131/tde-21092012-105601/
Kupfer, M.C.M. et. al. (2003). Pesquisa multicêntrica de indicadores clínicos de risco
para o desenvolvimento infantil. Revista Latinoamericana de Psicopatologia
Fundamental, São Paulo, v.6, n.2, p.7–25.
Kupfer, M.C.M. et al. (2009). Valor preditivo de indicadores clínicos de risco para o
desenvolvimento infantil: um estudo a partir da teoria psicanalítica. Latin American
Journal of Fundamental Psychopathology Online, São Paulo, v. 6, n.1, p. 48-68.
Pesaro, M. E. (2010). Alcance e limites teórico-metodológicos da Pesquisa
multicêntrica de indicadores clínicos de risco para o desenvolvimento infantil. 2010.
Tese (Doutorado) – Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo.
Kupfer, M. C. M.; Pinto, F. C. S. N. (Org.). (2010). Lugar de Vida, 20 anos depois.
São Paulo: FAPESP; Escuta.
Lima, T. M. T. (2012). Música e invocação: uma oficina terapêutica com crianças
com transtornos de desenvolvimento. Dissertação de Mestrado, Instituto de
Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado em 2013-02-25, de
http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47131/tde-19092012-123935/
Merletti, C. K. I. (2012). Escuta grupal de pais de crianças com problemas de
desenvolvimento: uma proposta metodológica baseada na psicanálise. Dissertação de
Mestrado, Instituto de Psicologia, Universidade
de São Paulo, São Paulo. Recuperado em 2013-02-25, de
http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47131/tde-07022013-110056/
Pechberty, B. ; Kupfer, M. C. M. ; Lajounquière, L. La scolarisation des enfants et des
adolescents dits en situation de handicap mental au Brèsil e en France: convergences
de recherches. Cliopsy, v. 4, p. 7-21, 2010.
Pinto, F. S. C. N. (2009). Grupo Mix: um campo de linguagem para a circulação da
heterogeneidade. Dissertação de Mestrado, Instituto de Psicologia, Universidade de
São Paulo, São Paulo. Recuperado em 2013-02-25, de
http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47131/tde-30112009-151327/
Tiussi, C. C. (2012). Grupo em educação terapêutica com crianças: alcance e limites
de um dispositivo. Dissertação de Mestrado, Instituto de Psicologia, Universidade de
São Paulo, São Paulo. Recuperado em 2013-02-25, de
http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47131/tde-03122012-103923

Anúncios