Esclarecimento aos pais e familiares das pessoas com autismo sobre a especificidade do tratamento psicanalítico

A partir de hoje, postaremos a cada dia, os textos resultantes do trabalho realizado na Jornada do Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública.

Começaremos hoje pelo texto de “Esclarecimento aos pais e familiares das pessoas com autismo sobre a especificidade do tratamento psicanalítico“.

 

No decorrer de nossa prática clínica temos escutado com atenção observações feitas a respeito do trabalho do psicanalista com pacientes diagnosticados como autistas. Gostaríamos de esclarecer de que modo a psicanálise contribui no tratamento dessas pessoas e suas famílias para que os pais possam escolher o tipo de tratamento que consideram mais indicado para seu filho. O trabalho do psicanalista é uma parte do tratamento dessas pessoas, já que o autismo é considerado um problema que se deve a vários fatores e requer intervenções de uma equipe de profissionais de várias especialidades.

 

Podemos comparar o trabalho do psicanalista ao de um artesão ou mesmo ao de um pesquisador, uma vez que as construções do projeto clínico precisam ser feitas caso a caso, pois entendemos que nenhuma criança com autismo é igual à outra. Isso implica, ao receber uma família que tenha um filho com autismo, o psicanalista avaliar aquele caso como único, e propor intervenções que levem em conta as necessidades e o sofrimento de cada família em particular. Busca-se, nos primeiros encontros, tanto a possibilidade de interagir com a criança quanto escutar, acompanhar e sustentar a família em suas angústias e preocupações. Tomando como ponto de partida que as pessoas com autismo apresentam dificuldades, fundamentalmente nas áreas da comunicação e interação, e que demonstram interesses restritos, o psicanalista irá considerar no seu trabalho, que, cada pessoa com autismo tem formas singulares de se comunicar e de interagir com seu meio, com os objetos e com os outros.

 

A participação dos pais no tratamento psicanalítico de crianças foi mudando ao longo dos seus mais de cem anos de história. A tendência atual da psicanálise é a de incluir nos atendimentos de crianças com autismo a todos aqueles que se ocupam diretamente da criança, procurando uma parceria na construção de projetos clínicos e educacionais. Isto significa construir estratégias em conjunto para favorecer a autonomia das crianças e jovens com autismo e ajuda a entender os sentimentos de exclusão, submissão, culpabilização ou fracasso que possam surgir. Ao participar ativamente do tratamento dos filhos e, simultaneamente, conhecer o trabalho realizado pelo psicanalista, os pais são acolhidos e considerados, descobrindo, junto com o profissional, novas possibilidades de relacionamento com o filho, o que lhes traz profundo apaziguamento da angústia.

 

Nessa perspectiva, o psicanalista escutará com interesse e atenção o que for dito pelos pais e, a partir daí começará um trabalho de reconstrução da história familiar que aponta à inclusão da criança na família e lhe garante um lugar social.

 

Nesse trabalho que faz lembrar tanto o do artesão quanto o de pesquisador, é função do psicanalista encontrar janelas de interação e de comunicação com a criança. São aberturas que todas as crianças com autismo costumam ter. Para encontra-las é necessário que o analista coloque  seu corpo, suas palavras, seus gestos e  suas tentativas de brincadeira em ação! A primeira grande conquista do trabalho seria a de ajudar a criança a demonstrar suas vontades e interesses relacionados aos outros, possibilitando que, aos poucos, momentos de interação possam ocorrer. Outra forma de abrir espaços de comunicação é iniciar pequenas mudanças em relação a comportamentos inicialmente sem sentido ou repetitivos oferecendo possíveis significados. Desse modo, alguns gestos ou movimentos passam a ser entendidos pelos outros, facilitando a comunicação e a circulação social. Nesse ponto, a escuta dos achados e construções que os próprios pais trazem a respeito do cotidiano com seus filhos com autismo, são de grande importância para o trabalho clínico.

 

O psicanalista pesquisa, em cada manifestação, como nas denominadas “estereotipias” ou “movimentos ritualísticos”, os significados possíveis para cada criança, entendendo que, embora eles não pareçam favorecer seu desenvolvimento e seus laços sociais, são resultado de um trabalho da criança em andamento e, por isso, não é bom tentar eliminá-los. Nessa investigação, o psicanalista, em conjunto com a criança e seus pais, leva em conta o limite e a tolerância que a própria criança demonstra frente às intervenções, pois, se forem consideradas excessivas, ela poderá sentir-se invadida, fechando-se ainda mais para o contato com os outros.

 

O trabalho deverá ser sempre cauteloso e o psicanalista, persistente, buscando não desanimar frente a recusas iniciais ou desistências da criança. O psicanalista deverá insistir em sua oferta e disposição, no sentido de “provocar” e de acionar momentos de curiosidade e de um “querer” na criança, evitando, por outro lado, tornar-se excessivo e invasivo para ela. Para tal, contemplará momentos em que a criança o recuse e o evite, mas continuará junto com ela e com seus pais para, mais adiante, tentar outra vez aproximar-se. Assim, o trabalho ocorrerá na fronteira e na alternância entre a não invasão e a não desistência de encontrar janelas de contato com a criança.

 

Os pais são considerados parceiros porque são eles que detêm o principal conhecimento sobre seus filhos. O tratamento psicanalítico os ajudará a buscar novas formas de se relacionar com os filhos, minimizando os momentos de paralisia e de impotência em situações extremas e nos contextos mais difíceis. Lembrando-nos, ainda, que também é o próprio profissional psicanalista que pode vivenciá-los.

 

Se os outros componentes da equipe interdisciplinar vão se ocupar de pontos fundamentais para o autismo, como a fala, a aquisição de hábitos e a aprendizagem da escrita, o psicanalista se debruça na construção da subjetividade. Por isso, considera a especificidade de cada caso e auxilia a criança e sua família a encontrar saídas que diminuam o sofrimento. É necessário, portanto, uma visão interdisciplinar para preservar o acolhimento das dificuldades a serem nomeadas e trabalhadas.  Assim, a posição do psicanalista de considerar as especificidades de cada caso, sua formação e experiência para compreender e dar sentido ajudam à condição de não desistência diante do sofrimento psíquico da criança e seus pais, além de se tornarem profissionais fundamentais para que as pessoas com autismo ampliem sua relação com os outros, interagindo e tentando se comunicar.

 

“Nas primeiras sessões entrávamos juntos, eu e Arthur. Percebi então minha importância ali naqueles momentos. No início Arthur ainda continuava muito agitado. A psicanalista começou então o Re-conto da nossa história e em muitos momentos Arthur parava e ouvia atentamente o que nós conversávamos. Era uma conversa verdadeira, eu me senti segura em falar como me sentia em relação a ele. Falávamos sobre quando Arthur ainda estava na minha barriga…. Arthur se acalmava ao ouvir sobre nossa história e, vê-lo mais calmo, mais concentrado, me dava um gás para seguir em frente. Eu me senti bem e a relação com meu filho fluía mais naturalmente.

 

A cada sessão a psicanalista conquistava mais sua confiança. Tinha uma brincadeira que ela fazia da formiguinha que ele adora até hoje. Naquele momento eles já estavam totalmente conectados e as trocas de olhares eram intensas.  Arthur se deixava ser tocado e vi que ele estava mais aberto ao novo. O Re-conto da nossa história foi fundamental para mim e para Arthur.  Percebi que tudo era importante em qualquer relação. Elas (essas crianças) percebem no ato quando as coisas não estão bem. “(FERNANDA, MÃE DE ARTHUR).

 

Participantes e colaboradores diretos do texto: Adela Stoppel de Gueller (SEDES/Clinica Interdisciplinar Mauro Spinelli/AUPPF); Alfredo N. Jerusalinsky (Lydia Coriat/RS); Claudia Mascarenhas (Instituto Viva Infância/Espaço Moebius Psicanálise/BA); Cristina Abranches Mota Batista (CAIS/MG); Cristina Keiko I. de Merletti (Lugar de Vida – Centro de Educação Terapêutica/SP); Daniela Taulois (pesquisadora IP/USP e Instituto da Criança HC); João Luiz Paravidini (GECLIPS/Universidade Federal de Uberlândia/MG); Julieta Jerusalinsky (NEPPC/SP e Lydia Coriat/RS); Jussara Falek (Prof. IP/USP); Maria Lucia Araújo (FCL/SP); Nathalia Campana (pós IP/USP)

 

About these ads
Esse post foi publicado em Artigos. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para Esclarecimento aos pais e familiares das pessoas com autismo sobre a especificidade do tratamento psicanalítico

  1. Dalila Caram Diniz disse:

    é importante esse movimento pois muito ainda precisamos avançar no campo do direito e da política.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s